Burning Man: preparativos, chegada e nostalgia

   |        |     Atualizado em 21 de março de 2016

Hoje a série especial sobre o Burning Man está voltada às questões práticas de quem vai participar do evento, ainda mais no caso dos “virgens” como eu! A intenção é dividir minha experiência e ajudar quem está pensando em ir 🙂

Mais um acampamento vizinho no Burning Man

Um dos acampamentos vizinhos do nosso no Burning Man. Foto: Vanessa Ikemori.

O mais difícil: os preparativos para o Burning Man

Preparar-se para ir pela primeira vez ao Burning Man deve ter sido a parte mais difícil de toda a minha jornada. Eu já tinha ido a um deserto, mas eram condições mais “normais”, então não sabia muito bem o que levar para acampar em um local em que a temperatura vai de 40 °C durante o dia a 0 °C à noite, além de ser lugar onde as pessoas se fantasiam e vestem o que querem. E quanta comida, quanta água, quanta bebida levar?

Dois amigos brasileiros já haviam ido e foram novamente comigo este ano, o que ajudou bastante. Fizemos reuniões em que eles explicaram a dinâmica do festival e indicaram o que levar e como fazer para tudo dar certo. Outra amiga, super organizada, assumiu algumas compras e, depois de passar na 25 de Março e pesquisar no site da Amazon, já tínhamos luzes que sempre temos que levar conosco, principalmente à noite, tutus para o tutu-Tuesday, óculos para enfrentar as tempestades de areia, lanternas (de mão e daquelas para fixar na cabeça) e fantasias diversas.

Brasil, São Francisco, Reno, Black Rock City

O caminhão do nosso acampamento no Burning Man carregado

O caminhão do nosso acampamento carregado. Foto: Vanessa Ikemori.

Encontrei parte do grupo em São Francisco, onde pegamos os carros alugados e fizemos as compras de comida e bebida. Não conseguimos comprar toda água e cerveja de que precisávamos em um único supermercado, o que deve dar a vocês uma ideia de como o evento movimenta a economia da região, então tivemos que parar em mais dois ou três mercados pelo caminho.

De São Francisco, partimos para Reno, onde passamos a noite. Na manhã seguinte, encontramos o restante do pessoal do acampamento para carregar um caminhão que levaria a estrutura da cozinha e do dome que montaríamos em Black Rock City.

O primeiro presente que recebi no Burning Man

O primeiro presente que recebi no Burning Man. Foto: Vanessa Ikemori.

Chegamos lá na tarde do sábado de 29 de agosto, mas só pudemos entrar em BRC à noite, depois de 6 horas de espera na fila, porque não estavam deixando ninguém entrar por conta de uma tempestade de areia que rolou o dia todo. Mas a espera acabou sendo legal, pudemos sair do carro, andar um pouco, conhecer gente, ouvir música, aceitar alguns doces de uma senhora que passou distribuindo entre os carros… tivemos o primeiro gostinho do Burning Man.

Minha papelada do Burning Man

Minha papelada do Burning Man. Foto: Vanessa Ikemori.

O dia já estava acabando quando liberaram a entrada, e imagino que tenha sido apenas porque perceberam que a tempestade não ia passar tão cedo.

Entramos em Black Rock City!

Voltamos ao carro, paramos para pegar o ingresso e seguimos em frente. Tudo muito organizado, sempre com pessoas indicando o caminho certo.

Na entrada onde conferem os bilhetes, perguntaram se era nossa primeira vez. Depois da resposta positiva, nos disseram para descer do carro, bater um sino, gritar “I’m not a virgin anymore!” (“Não sou mais virgem!”), como são chamados os que se aventuram por lá pela primeira vez), deitar e rolar na areia.

Nossa cozinha sendo terminada no Burning Man

Nossa cozinha sendo terminada. Foto: Vanessa Ikemori.

Agora sim, o Burning Man!

Domingo foi o dia de conhecer o pessoal do camping e trabalhar pesado. Montamos toda a estrutura da cozinha e levantamos o dome, tarefa árdua que deu um trabalhão, mas valeu muito a pena. Foi o momento em que criamos laços com as pessoas com quem dividiríamos nossa casa pelos próximos oito dias.

Montagem do nosso dome no Burning Man

Montagem do nosso dome. Foto: Vanessa Ikemori.

Em seguida, chegou a hora do nosso primeiro passeio pela cidade que ainda tinha obras de artes sendo construídas, pessoas chegando, acampamentos sendo montados e trailers, estacionados, o clima no ar era animado, eufórico, cheio de expectativas.

Nosso dome montado para a festa do nosso acampamento no Burning Man

Nosso dome montado para a festa do nosso acampamento. Foto: Vanessa Ikemori.

Com o passar dos dias, você se acostuma com o lugar, consegue se achar e se sente em casa, envolto de tanta diversidade! E há de tudo: de bebês de colo a senhores de 80 anos, de gente fantasiada a vestida com roupas “normais”, gente meio pelada, gente totalmente pelada e pessoas do mundo todo. Acontecem baladas com todos os tipos de música, shows, acampamentos temáticos, instalações de arte, workshops, cursos, palestras, carros mutantes (em que você pode pegar carona), tenda para fazer sexo, banhos coletivos, centro de reciclagem, pessoas distribuindo comida, café, chá e tudo mais que você puder imaginar.

Ao chegar, ganhamos um mapa e um livrinho com todos os acampamentos e eventos programados. É tanta coisa que é impossível ver tudo, até hoje, quando vejo fotos e vídeos publicados por aí, percebo que não vi várias coisas. É incrível ver tudo aquilo e pensar que ninguém fez nada por dinheiro, mas apenas para contribuir com uma comunidade, para que todos se divertissem.

Dois momentos marcantes para mim no Burning Man

O primeiro aconteceu na quarta-feira à tarde, quando fomos a uma balada de música eletrônica chamada Distrikt. Não curto muito esse tipo de música, mas a vibe estava tão gostosa, as pessoas dançando, curtindo o momento de estar lá, o pôr do sol lindo, um menininho de uns 5 anos dançando todo feliz. Ele foi a personificação daquele momento perfeito para mim.

Pôr do sol na Distrikt, um dos momentos mais marcantes para mim no Burning Man

Pôr do sol na Distrikt, um dos momentos mais marcantes para mim no Burning Man. Foto: Vanessa Ikemori.

O segundo momento foi ver o Sol nascer no sábado de manhã depois do dia mais difícil que tive por lá, enfrentando tempestades de areia quase a sexta-feira inteira. Mas o clima limpou à noite, consegui ficar acordada e tudo foi perfeito. Foi, realmente, uma das coisas mais bonitas que vi na vida!

E começa a despedida…

Sábado também foi dia de começarmos a desmontar o acampamento, já à noite, o Man seria queimado. Era engraçado perceber o clima diferente, mudando para nostalgia, a sensação de algo que está para acabar e que vai deixar saudades. Partiríamos domingo cedinho.

O Man em chamas, um dos últimos grandes eventos do Burning Man

O Man em chamas, um dos últimos grandes eventos do Burning Man. Foto: Vanessa Ikemori.

Burning Man uma experiência diferente e incrível no deserto norte americano

Acompanhe esta série especial todas as segundas deste mês e conheça as dicas práticas da Vanessa para você que também quer passar por essa experiência incrível! Você pode assinar o blog para facilitar sua vida e ser avisado assim que publicamos cada um dos nossos posts 😉


Continue lendo a série sobre o Burning Man

Compartilhe!
  • 12
  • 122
  •  
  •  
  •  
  •  

Curtiu? Deu vontade de viajar? Planeje sua viagem com a gente!

Reserve seu hotel no Booking.com! São milhares de hotéis com cancelamento gratuito.
A Rentcars.com compara várias locadoras de carros, cobra em Reais e parcela em 12 vezes!
Ganhe 5% de desconto com o código COISOS5 ao comprar seguro viagem na Seguros Promo.
Você precisa de Internet quando viaja! A EasySim4u oferece voz e dados em mais de 140 países.

Todos os parceiros são escolhidos com cuidado para que você sempre consiga o melhor preço! Além disso, quando você usa nossos links e afiliados, recebemos uma pequena comissão que nos ajuda a manter o blog e o melhor é que você não paga nada a mais por isso.

Quer ficar sempre por dentro das nossas novidades? Assine o blog!

Os Coisos me chamam de “Van Van”, mas tem gente que me chama de Van, Nessa, Nusa… Meu nome é Vanessa e sempre gostei de música. Quando não tinha internet (olha como sou velha), comprava revista importada sobre música, acho que minha curiosidade por shows e festivais veio daí, cresci lendo e sonhando em frequentá-los. Cada um que consigo ir é um sonho que se torna realidade e que vou compartilhar aqui.

O blog tem mais vida quando você participa. Deixe seu comentário!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Siga-nos no Instagram

  • Virei a louca do stop motion nessa viagem para Buenos Aires (quem acompanhou os stories, já percebeu 😊) Este nós fizemos pelas ruas de Palermo, um dos meus bairros preferidos em #BsAs, cheio de arte de rua, lojinhas e restaurantes diferentes!  Enquanto as dicas não saem no blog, fiquem com nossa obra de arte. 😂 .
.
.
#coisosembuenosaires #buenosaires #travelbuenosaires #visitargentina
  • Descabelados em Buenos Aires 😂 (mas com essa vista da cidade, ninguém liga)  Obs.: Você sabe que tá imersa na viagem quando seu teclado já sugere palavras no idioma local  Continue com os Coisos nos stories, tá acabando mais ainda tem! 
#coisosembuenosaires #travelbuenosaires
#buenosaires
  • Ó, vale muito a pena conhecer o Jardim Japonês de Buenos Aires. Além de lindos  espaços fotogênicos, você pode aproveitar e fazer um super passeio pela região!  Combine o Jardim com o Rosedal, o Malba, um almoço no @nolabuenosaires e passeios pelos grafites e lojinhas de Palermo. ❤️ .  De noite, ainda dá para beber algo nos muitos bares da região, jantar um lamen (onde estamos agora) e partir para um fliperama secreto (nosso próximo passo, se acharmos a entrada)! Tá tudo no Stories! Vem com a gente!  #coisosembuenosaires #travelbuenosaires #visitargentina

Tem muito mais por lá!

Fazemos parte

Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem  Associação Brasileira de Blogs de Viagem